gototopgototop

Traduzir - Translate

Faixa publicitária

Pensamento do Dia

Não há razão para termos medo das sombras. Apenas indicam que em algum lugar próximo brilha a luz. (Ruth Renkel)

Pesquisar no site

Newsletter

Descriminação

Qual destes grupos acha o mais discriminado socialmente?
 

Opus Gay no Mundo

Todos os artigos publicados pela Opus Gay podem sempre ser integralmente lidos nas seguintes 58 línguas:
(all the articles published by Opus Gay can be read in any of the following 58 languages)
 
Afrikaans
Albanês
Alemão
Árabe
Arménio
Azerbeijano
Basco
Bielorusso
Búlgaro
Catalão
Checo
Chinês Simplificado
Chinês Tradicional
Coreano
Croata
Dinamarquês
Eslovaco
Esloveno
Espanhol
Estónio
Filipino
Finlandês
Francês
Galego
Galês
Georgiano
Grego
Haitiano
Hebraico
Hindu
Holandês
Húngaro
Iídiche
Indonésio
Inglês
Irlandês
Islandês
Italiano
Japonês
Letão
Lituano
Macedónio
Malaio
Maltês
Norueguês
Persa
Polaco
Português
Romeno
Russo
Sérvio
Suaíli
Sueco
Tailandês
Turco
Ucraniano
Urdu
Vietnamita
 
* use o botão
"Traduzir - Translate"
 no topo desta coluna *

Contador de visitas

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje19
mod_vvisit_counterOntem892
mod_vvisit_counterEsta semana2906
mod_vvisit_counterÚltima semª.6354
mod_vvisit_counterEste mês35652
mod_vvisit_counterMês passado42096
mod_vvisit_counterTotal3326477

We have: 10 guests online
Seu IP: 52.23.234.7
 , 
Hoje: 22 Maio 2019

45º Aniversário do Manifesto - Liberdade para as Minorias Sexuais

Share

Os 45 anos do Manifesto "Liberdade para as Minorias Sexuais"


O manifesto que celebramos foi redigido pelo recém-criado "Movimento Homossexual de Acção Revolucionária e que foi publicado no dia 13 de Maio 1974 no Diário de Lisboa e Diário de Notícias.

Este é o documento de base da causa LGBT em Portugal e na época teve grande repercussão, positiva e negativa. 

Positiva porque foi a primeira vez que um grupo levantava a voz em defesa e anunciando a existência de um grupo imenso de portugueses que viviam calados e escondidos durante os anos do fascismo.

Negativa, porque após a publicação do Manifesto, generais da então Junta de Salvação Nacional, designadamente Galvão de Melo da ala direita do movimento foi ao único canal de televisão existente na época, RTP, dizer que nem os homossexuais e nem as prostitutas deveriam ter voz. 

O Fascismo havia-se ido, mas os preconceitos e a mão forte do então Governo foi contra eles, para os silenciar.

Levariam outros 10 anos para que um novo movimento aparecesse.
Este manifesto, que é central para que compreendamos os movimentos em favor das minorias em Portugal, não teria existido sem a presença central do António Serzedelo, que além de ser o primeiro a levantar a bandeira LGBTI em solo português, também foi Presidente do Comité Português de Direitos Humanos do Povo Palestiniano. Fez parte do Conselho da Paz e Cooperação do Movimento Anti-Apartheid em Portugal, até ao final do Apartheid na República da África do Sul e Rodésia, envolvido em questões dos direitos femininos e tantos outros das suas militâncias. 

Pequeno pedaço de sua vida e de sua contribuição para os Direitos Humanos em Portugal se podem ler no sítio da Internet Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_Serzedelo.


Hoje, aproximando-nos da data de aniversário deste tão importante manifesto, não podemos deixar de aproveitar e celebrar a vida desta personagem, entrevistador e produtor deste programa Vidas Alternativas, "um programa muito pouco católico para todos os protestantes sociais" o primeiro na

Península Ibérica a defender publicamente os LGBT há mais de 20 anos.

É também fundador e Presidente do Opus Diversidades, ex Opus Gay, criada na mesma altura, a segunda mais antiga ONG portuguesa nesta área.

https://cidadaniaemportugal.pt/eventos/comemoracao-dos-45-anos-do-1o-manifesto-da-liberdade-sexual/

 

Traduções

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária